Be Kyan

Joined October 2016
  • Day12

    Regresso

    November 12 in Indonesia

    Com um excelente pequeno almoço no nosso hotel e antes de apanharmos o táxi de regresso para o aeroporto fui só me despedir da praia com um mergulho na Bingin beach.
    Elas preferiram ficar no hotel para descansar, para além de que a Filipa estava mal do joelho.
    Vi mal as horas antes de sair do hotel, quer dizer que quando cheguei à praia para dar um mergulho era tempo de regressar porque ainda tinha que fazer mais 20 minutos a pé.
    Às 15h30 estávamos a apanhar o primeiro voo de regresso, numa viagem de mais de 24h.
    Chegamos a Lisboa todas com "eau de Guerlain".
    Read more

  • Explore, what other travelers do in:
  • Day11

    Uluwatu

    November 11 in Indonesia

    É oficial, este é o último dia das férias por isso temos que regressar a Bali para apanhar o avião no dia seguinte.
    Depois dum pequeno almoço à pressa no nosso hotel, o Cidomo chegou com o atraso habitual deste povo. Seguimos de atrelado até aos barcos para mais uma hora de espera. Apesar de nos termos levantado cedo, só chegámos a Bali, via Padang bai já passava das 11h.
    O nosso bilhete da barco dava direito a transporte gratuito quase até ao nosso hotel que ficava a 2h do barco.
    Mas claro que ao sair do barco, temos uma dezena de indonésios com um papelinho a dizer "free shuttle".
    Na realidade, eles apenas querem te dissuadir de apanhar o free shuttle, porque segundo eles demora muito mais tempo e não te deixam a porta do hotel, têm não sei quanto argumentos para te tentar convencer.

    Chegado ao hotel Mule Malu para deixar as malas, seguimos para Mango tree para almoçar e para a famosa praia Padang Padang.
    Aliás foi a única praia que tivemos que pagar, não posso dizer que não é bonita, mas como está cheia de gente perde o encanto.
    Também não surfamos porque quase não havia ondas.
    Por recomendação fomos ver o por do sol no El Kabron por cima da Bingin Beach. Tem realmente das vistas mais bonitas que vimos nas férias, mas só podes ir para certas zonas da esplanada se consumir pelo menos 30€ por pessoa.
    Claro que fomos para a zona dos pobres, sem consumo mínimo e não ficámos para jantar. De qualquer forma depois do pôr do sol, toda essa zona foi atacada por milhares do insetos, tipo formigas gigantes com asas. Esses não respeitam as zonas chiques, nem os consumos mínimos. Tivemos que fugir para jantar num italiano mesmo ao lado do nosso hotel.
    Read more

  • Day10

    Gili's

    November 10 in Indonesia

    Depois dum bom pequeno almoço no nosso ao hotel mesmo em cima da praia e vinte minutos de bicicleta, apanhamos um barco para dar uma volta pelas três Gili's e fazer snorkling.

    Foi sem dúvida inesquecível, começámos logo a nadar com uma tartaruga na Gili T, depois fomos ver as estátuas no fundo do mar na Gili Meno com centenas de peixes coloridos a acompanhar.
    Na Gili Air, fomos ao Turtle Point nadar com as tartarugas e os milhares de peixes coloridos em cardumes que passam por aí.

    Quando no final fomos ao Fish Garden, onde alimentam os peixes com pão para podermos nadar com eles, já não teve tanta graça.
    De volta a Gili T, fizemos mais um passeio de bicicleta para ir tomar banho ao hotel, a ouvir em cada canto "mushroom... mushroom".
    Como esta ilha não tem quase nada para fazer, as pessoas agarram-se aos cogumelos mágicos, aliás muitos deles estão já todos comidos pelas drogas.
    Depois do jantar a Filipa que estava à rasca do joelho e não conseguia voltar para o hotel de bicicleta, muito menos numa estrada escura e com buracos.

    Ela apanhou um Cidomo e nós ficamos a acompanhar atrás com as bicicletas.

    Não há fotos que expressam este dia porque passámos o dia com a cabeça dentro de água e sem GoPro :-(
    Read more

  • Day9

    Gili Trawangan

    November 9 in Indonesia

    A pontualidade não é de todo o forte dos indonésios. Era suposto virem nos buscar na nossa casa de campo as 7h da manhã.
    Saímos quase ás 8h, porque depois de meia hora de espera, quem teve que esperar foi o condutor porque decidimos comer o pequeno almoço.

    O barco também se atrasou. Ainda por cima, tivemos que voltar para Bali para seguir para Gili Trawangan.

    Chegámos a Gili T já passava da uma da tarde. A minha primeira impressão foi de desilusão, estava com grande expectativas relativamente a beleza da ilha, mas devido ao terramoto que ocorreu há um mês atrás, muitos edifícios estavam destruídas.
    Nas praias e na ilha toda estão destroços de casas e árvores. Claro que muita coisa já está a ser reconstruído mas tudo leva o seu tempo.

    A única forma de se deslocar nesta ilha é de bicicleta ou de Cidomo (táxi horse), mas preferimos fazer meia hora a pé para atravessar a ilha para o lado oeste, até ao nosso hotel.

    A partir daqui, as deslocações seriam sempre de bicicletas.

    Depois de jantar do lado leste da ilha, fomos ver um concerto de reggae no Sama Sama e dar um pezinho de dança no Sand Bar.

    Quando decidimos regressar, já passava das 3h da manhã, tínhamos que atravessar novamente a ilha num caminho escuro, cheio de buracos e areia, à luz do telemóvel da Filipa e com alguns copos em cima. Foi toda uma aventura.
    Read more

  • Day8

    Nusa Penida

    November 8 in Indonesia

    Acordámos mais uma vez cedo, para ir de barco até Nusa Penida, onde esperava nosso condutor calado que nos acompanhou o dia todo por estradas acidentadas, cheias de buracos. Ele pouco ou nada falava inglês, por isso também não conseguíamos falar com ele.

    A primeira paragem foi em Kelingking Beach, uma falésia de 400m para o mar, com uma rocha que parece quase uma pata de um dinossauro no mar. É possível descer por um caminho até ao mar. Deve ser lindíssimo, mas o caminho de terra batida e húmida é demasiada íngreme e quase sem segurança, seria demasiado difícil por isso desistimos.

    Seguimos para Angel's Billabong Bay e Broken Bay. Estas duas baias devem ser muito mais bonitas com sol.

    Tivemos sorte porque apenas apanhamos chuva torrenciais quando estávamos no carro, mas já não podíamos mais com os solavancos.

    Chegadas a Cristal beach, pudemos finalmente fazer um pouco de praia e snorkling antes de voltar para Lembongan.

    O ponto alto do dia, foi o por do sol em Sandy Bay Beach Club, o jantar mais caro das férias, mas valeu a pena.
    Read more

  • Day7

    Nusa Lembongan and Ceningan

    November 7 in Indonesia

    Às 7h da manhã já estávamos na recepção a fazer o checkout, ainda tivemos que esperar que verificassem o quarto. Pelos vistos, tinha desaparecido uma chávena de café e uma toalha. Ninguém tinha bebido café e muito menos tínhamos levado alguma toalha. A Filipa acabou por ter que ir ao quarto para encontrar a toalha perdida. Com isso tudo perdemos quase 20minutos.

    Tínhamos pedido ao nosso taxista para nos levar ao terminal dos barcos públicos. Apesar disso, ele continuava a dizer que tinha um amigo que nos ia ajudar com todos os transportes, de Bali para Nusa Lembongan, depois para Gili T e a volta para Bali. O problema foi que ele queria 1,4 milhões de rupias, por pessoa, pelas 3 viagens.
    Chegámos a acordo que íamos comprar apenas o bilhete de ida para Nusa Lembongan. Ele ficou todo nervoso a mandar mensagem provavelmente ao amigo porque tinha acabado de perder o seu negócio. A nossa ida ia custar 350k rupias.

    Acompanhou-nos até á bilheteira e claro recebeu uma notinha. Quando percebemos que não estávamos no terminal dos barcos públicos, viramos costas. Ninguém nos sabia dizer onde era o terminal, afinal toda a gente tinha um amigo que arranjava bilhetes. Quem acabou por nos ajudar foram dois australianos, mas no final da conversa também tinham um amigo que nos podia arranjar bilhetes.

    A frase mais ouvida é "I have a friend".

    Nestas viagens, o que mais cansa é o facto de toda gente tentar ganhar dinheiro contigo, de uma forma pouco honesta, toda gente tem um amigo que te pode ajudar no que precisares.

    Acabamos por ir de transporte público, por 200k.

    Chovia torrencialmente quando chegámos a Lembongan, depois de fugir de todos os táxis que nos queriam levar, entrámos num loja de mergulho para nos abrigar da chuva. Estávamos já tão desconfiávamos que quando nos disseram que iam ligar ao hotel para nos virem buscar, perguntámos logo quanto era. Afinal fazia parte do serviço do hotel era grátis.

    Viemos parar ao topo da ilha, no meio do nada no The Omah, umas casas típicas com um jardim muito cuidado que pertencia a dois irmão. Eram os donos e faziam tudo, desde limpeza, á comida, a motorista. Foram provavelmente os melhores anfitriões que tivemos e vamos ter nestas férias.

    Aqui se não andares de scooter ficas muito limitada. Um dos irmãos deixou-nos na Yellow bridge, para atravessarmos para Nusa Cennigan. Apenas 50 metros separam estas duas ilhas e quando está maré baixa, dá para atravessar a pé.
    Almoçamos na Ceningan, junto à praia. Comi Gado Gado, um dos meus pratos preferidos aqui com um molho de amendoim e lima.

    Como não tínhamos mota, acabamos por ir a pé para a outra ponta da ilha, ver a Blue Lagoon, com o sol de chapa. É uma baia incrível no meio das rochas, onde o mar muda de cor, para dor de azul pastel. Fomos ainda para uma praia quase deserta junto ao Mahana Point, onde uma onda perfeita quebra entre o mar alto e as águas calmas que separam as duas Nusas, Ceningan e Lembonga. Ao final do dia, os surfistas vão chegando para se atirar das rochas e surfar nesse paraíso. Tenho pena não ter nível de surf para estar aí e muito menos com essas rochas.

    A volta para a Yellow Bridge foi de táxi moto, eu e a Marta numa mota e a Filipa noutra.
    Jantamos aí perto, no pior restaurante desde o início das férias e ainda pagámos mais de 7€ para fazer menos de 2km para o hotel.
    Read more

  • Day6

    One more day in Canggu

    November 6 in Indonesia

    Não era suposto estarmos cá hoje, mas foi a melhor coisa que fizemos. Curti a melhor surfada dos últimos tempos, na praia de Berawa. Ondas grandes, mas este mar é muito mais fácil comparado com Portugal.
    Com o meu fato da ginástica, dei um show inesquecível que ficará marcado na minha memória com uma tartaruga a acompanhar os surfistas.

    À tarde , estive a acompanhar a Filipa a surfar, que também adorou.
    Depois de jantar cedo, fomos para o Pretty Poison. Dum lado tínhamos um concerto de covers de rock, do outro uma piscina de skate, com skaters a dar espectáculo. Nem sabíamos de que lado ficar.

    Ainda bem que o Pretty Poison fechava à meia noite como quase tudo aqui, porque no dia seguinte tínhamos que estar prontas às 7h da manhã para seguir para Nusa Lembongan.
    Read more

  • Day5

    Canggu

    November 5 in Indonesia

    Tinhamos apenas um dia inteiro em Canggu, começámos com um pequeno almoço no terraço do FRII hotel com vista para o mar, já com dezenas de surfistas a curtir. O nosso surf ia ficar para a tarde.
    Passamos a manhã a passear pela praia e pelas ruas de Canggu. Almoçamos na Deus Ex Machine e seguimos para a praia Echo Beach, o mar não estava tão bonito como de manhã.
    Depois de duas horas a surfar, com uma prancha alugada por 3€, escorreguei numa pedra a sair da água. Esfolei um pouco a perna e o joelho e levo uma negra para casa.
    Ao entregar a prancha puseram me lima na ferida para desinfectar. Se tudo o que arde cura, ficarei curada de certeza.
    O objetivo era jantarmos e irmos ao Pretty Poison, um sítio a não perder para quem gosta de rock e skate.
    Foi a maior desilusão quando passámos por lá antes de jantar e disseram-nos que os concertos são às terça. Não ia haver nada nesse dia, mais um dia sem sorte com a noite.
    A frustração foi tal que, mudamos os planos durante o jantar. Reservamos mais uma noite de hotel em Canggu e provavelmente íamos perder o dinheiro da noite já reservada em Nusa Lembongan.
    Depois de jantar andamos às voltas para tentar ir para Old Man's a pé. No meio desta volta, depois de andarmos por uma estrada escura demos de caras com um bar de rock, o Gimme Shelter. Era de rock e tinha concerto.
    Mas quando chegou um cowboy de bota em bico, casaco de cabedal, cachecol, cabelo puxado para traz à Elvis Presley, que cantava covers como se estivesse a cantar na língua dele, decidimos fugir.
    Ainda fomos dar uma volta ao Old Man's junto à praia antes de ir dançar, mesmo ao lado, num bar de música electrónica ao ar livre, o Island beach bar.

    Não passava muito da uma da manhã quando nos fomos embora, mas o shot de tequila e o álcool local deram cabo de nós.
    Voltámos para o hotel a pé, a chorar a rir, para nos atirar na piscina. Claro que esta brincadeira acabou com o segurança do hotel a mandar-nos sair.
    Read more

  • Day4

    Arriving in Canggu

    November 4 in Indonesia

    Chegadas a Canggu, com uma expectativa altíssima relativamente à noite daqui, fomos nos aprontar, tomar banho, lavar cabelos, esticar cabelos para quem estica, maquilhagem, preocupadas em trazer um casaco no caso de chegarmos muito tarde.
    Com isso tudo, fomos jantar á hora portuguesa. Mal nos sentámos, vieram nos dizer que por cada cocktail temos um grátis. Decidimos que como a noite ia ser longa cada uma pedia o seu, e a meio do jantar pedíamos o segundo grátis. Mas não íamos a meio do primeiro já chorávamos a rir, o único problema nesse plano todo foi que quando começamos a ver os horários dos pubs, os que fechavam mais tarde era á meia noite :-(
    Pior do que isso, começou a chover torrencialmente, mal fossemos pôr o pé lá fora íamos destruir todo o cenário.
    Com tudo a fechar e a chuva a cair, voltamos diretas para o hotel. De qualquer forma o cansaço era tanto que adormecemos logo, com maquilhagem e tudo.
    Read more

  • Day4

    Jatiluwih and Tanah Lot

    November 4 in Indonesia

    Passámos por Jatiluwih, um dos maiores campos de arroz, é um vale enorme, verde intenso, com vários percursos pedestres. Não tínhamos era tempo para usufruir do sítio, tirámos apenas umas fotos e seguimos caminho para ver o pôr do sol em Tanah Lot Temple junto ao mar.
    Infelizmente o tempo estava nublado, mas deve ser sem duvida um sítio maravilhoso para ver um pôr do sol memorável, a ver uns surfistas corajosos a aventurarem-se.
    Provámos uns bolinhos de arroz com côco típicos daqui, enrolados numa folha de palmeira e estranhamente bons. Aliás a Marta ficou tão fã, que anda à procura disso em todo o lado.
    Read more

Never miss updates of Be Kyan with our app:

FindPenguins for iOS FindPenguins for Android